top of page

O triste destino da Mansão dos Matarazzo


Hoje, como faça aos domingos, fui caminhar pela Av. Paulista. Entrei no Parque Trianon e andei até a Praça Oswaldo Cruz, voltando até a Rua Augusta. Passei pelo cruzamento da Paulista com a rua Pamplona, onde está sendo erguido mais um imponente edifício multiuso, com shopping, escritórios e restaurantes, no estilo de outros que foram construídos recentemente na Av. Faria Lima.

Os mais jovens não devem ter a mínima noção do imóvel que ocupava aquele espaço anteriormente. A Mansão dos Matarazzo. Treze mil metros quadrados que tinham muita história pra contar. É surpreendente o destino do patrimônio público.

A mansão do conde Francisco Matarazzo, um dos principais industriais latino-americanos do começo do século 20, projetada pelos italianos Giulio Saltini e Luigi Mancini, foi construída em 1896. A grandiosa construção tinha 16 salas e 19 quartos e resistiu muito anos ao processo de verticalização de uma das áreas mais valorizadas de São Paulo.

A casa símbolo de uma Era de Industrialização deu lugar a mais uma torre símbolo da pós-modernidade capitalista.

Em 1989, a então prefeita Luiza Erundina tinha o projeto de desapropriar a casa para transformá-la no Museu do Trabalhador, mas os herdeiros tinham interesse em vender um dos terrenos mais caros do país. Para que o lote não fosse desapropriado, a família tentou implodir a mansão, sem sucesso.

Mesmo com as estruturas abaladas, em 1990, o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) decide pelo tombamento o casarão. Durante a gestão do prefeito Paulo Maluf, em 1996, ele é, finalmente, demolido. O Instituto de Criminalística, na época, divulgou um laudo constatando que o desabamento foi intencional, uma vez que as colunas de sustentação haviam sido escavadas.

A Cidade de São Paulo perdeu um espaço que poderia servir a população de forma muito mais inteligente, pois abrigaria um museu e um espaço de vista comunitário, do que a construção de mais um prédio com lojas e escritórios, coisa que a cidade já está farta.

Atualmente, na Rua Augusta, um espaço que daria lugar um parque para a população, o Parque Augusta, numa área tão escassa de ambientes públicos, deve dar origem a mais torres de apartamentos. O poder público tem a obrigação de proteger o que resta da memória cultural paulistana.

A questão é muito simples. Parques, museus e espaços públicos, agregam as famílias, dissemina cultura e conhecimento e diminui a brutalidade das grandes cidades. Shoppings, lojas e escritórios são símbolos da pós-modernidade capitalista e geram consumo, trânsito e lixo.

Um modelo de urbanismo inteligente deveria desconcentrar as áreas de trabalho de algumas poucas avenidas e permitir a criação de espaços comunitários, culturais e educativos. Vamos tentar salvar o Parque Augusta? Ainda dá tempo.

Você preferia levar seus filhos para passear num museu instalado na Mansão dos Matarazzo ou no prédio abaixo?


1.790 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page