O Parque Ibirapuera vai ser privatizado? E daí?


Com a nova administração da Cidade de São Paulo, surgem as medidas de impacto. Uma delas é dar concessão para a iniciativa privada explorar os parques de cidade e assim, livrar a prefeitura de pagar a conta.

Sou usuário do Parque do Ibirapuera e realmente ele poderia estar mais bonito. Mas não considero que esteja feio ou abandonado. É um parque charmoso, sim!

Se a iniciativa privada começar a geri-lo, terá que buscar fontes de receita para a conta fechar. Não há dúvida quanto a isso. Mas o que iria mudar no parque?

Certamente, a venda de alimentos e bebidas deverá ser alterada. Hoje, existem algumas lanchonetes meio precárias, um restaurante e muitos ambulantes, dos quais compro água de coco. Não há dúvida que a empresa gestora irá buscar receita com a venda de alimentos. E provavelmente irá expulsar os ambulantes que vivem do seu comércio lá. Com o monopólio, os preço devem subir. É só lembrar da venda de comida nos aeroportos. Um verdadeiro roubo.

O estacionamento também deverá ser alvo de receita e a zona azul, hoje existente, poderá desaparecer. Já posso imaginar aquelas cancelas automáticas nos diversos portões do parque e a gente, depois do treino, procurando onde pagar o estacionamento. Que também será mais caro.

Mas o item que mais me preocupa é o uso das áreas públicas para eventos e shows. Não quero ter que encarar mais um monte de propaganda e promoções de venda na minha corrida matinal! Já chega de sermos bombardeados nos shoppings e na TV. Também já consigo visualizar aquelas moças bonitas, de uniforme, promovendo produtos de beleza, salsichas e automóveis. Tudo pra gente gastar mais, além de ser uma forma de elitizar a frequência do local. Uma bobagem...

A ida a um parque público deveria inicialmente ser um momento de interiorização, já que passamos praticamente o tempo todo vivendo o mundo exterior e suas armadilhas e bobagens. As atividades ao ar livre deveriam nos conectar conosco mesmos e com as pessoas ao nosso redor. Promover atividades em grupo, com a família e a comunidade. Ser um local para a cultura da Paz, que tanto precisamos.

Não quero ter que frequentar mais um lugar para as empresas exporem suas marcas e produtos. Gerando mais estímulo ao consumo e ao distanciamento com nosso Eu Superior.

É preciso entender que a privatização não é a solução para todos os problemas brasileiros. O Central Park, em Nova York, é administrado por uma ONG e recebe doações dos ricos de plantão, vizinhos do parque. Essa pode ser uma boa alternativa.

O poder público tem a obrigação de promover o bem-estar e a qualidade de vida dos cidadãos. E isso passa por equilíbrio físico-emocional-mental-espiritual e o acesso aquilo que realente nos deixa pessoas melhores: a saúde, a confraternização e a busca por uma vida menos materialista.

Então, que tal pensar em alternativas comunitárias e não apenas comerciais? Que as empresas se unam nesta causa, mas sem a busca frenética de aumentar suas vendas no curto prazo. Isso sim, na minha opinião, é ser moderno e bom gestor.

Vamos correr?

0 visualização