O miserável mundo dos 10%


A Cabala apresenta a realidade na forma da Árvore da Vida, onde existem dez dimensões ou esferas, denominadas sefirot, que devem ser vivenciadas para que sejamos seres plenos, cheios de alegria e realização.

Existe uma cortina que separa cada uma das dimensões, que deve ser vencida para o acesso às outras.

O mundo físico dos sentidos é apenas a primeira dimensão e é chamado de "escolha". Por não conseguirmos ver além da sua cortina, entendemos que a realidade está englobada apenas nela. Ao contrário, viver estacionado nesta esfera, significa ficar afastado da totalidade. Mas tudo não passa de uma escolha.

Ao encontrarmos um obstáculo, fica difícil superá-lo, enxergando apenas 10% da realidade. Ao surgir um problema profissional, podemos crer que somos fadados ao fracasso; o término de um relacionamento pode nos levar a conclusão que não somos feitos para o amor; e ao deixarmos passar nossas vidas de forma automática, podemos concluir que nossa existência não possui propósito.

Viver no mundo dos 10% é ter uma vida miserável. É difícil não se sentir pobre com apenas 10% da visão. O sentimento é que as coisas são rasas, sem significado. Por mais ricas e poderosas que as pessoas e organizações aparentem ser, se vivem apenas no mundo dos 10%, elas são verdadeiramente miseráveis.

Vencida a primeira cortina, chegamos a segunda dimensão e caminhamos mais um pouco rumo ao mundo dos 100%.  Esta é a dimensão do "propósito". Ter um propósito consciente significa fazer escolhas com fundamento. Dessa forma, a segunda dimensão traz sentido para a primeira. Pessoas e organizações ricas e poderosas que não possuem propósito, levam uma vida árida e vazia. Para vencer a segunda dimensão é preciso ter o verdadeiro desejo de compartilhar. Não existe propósito que não seja compartilhado.

A terceira dimensão representa o "refinamento". Um dos motivos de estar vivo é a busca de fazer as coisas cada vez melhor, com refinamento. Esta dimensão também nos ensina a importância da perda para continuarmos nossa caminhada. Somente é possível obtermos refinamento naquilo que fazemos se soubermos eliminar os excessos e as escolhas inúteis. Parece simples, mas não é. Quantas coisas e relacionamentos teimamos em manter, sem ter nenhum resultado concreto? Acumular em excesso também pode nos tornar miseráveis.

A quarta dimensão é a "permanência". Não é possível fazer escolhas com propósito e refinamento se não somos persistentes no nosso caminho. Quantas pessoas conhecemos que estão sempre mudando de objetivo sem conseguir resultados efetivos. Na árvore da vida, a esfera da permanência está ao lado da esfera do refinamento, mostrando que a busca por melhorar nossas escolhas e relacionamentos deve ser um processo contínuo.

No caminho ao mundo dos 100%, a quinta dimensão traz a importância do "equilíbrio" da nossa jornada e projetos pessoas e organizacionais. Este equilíbrio é atingido pelo constante processo de reflexão e avaliação das nossas escolhas, que são empoderadas pela existência de um propósito e pelo permanente refinamento. Um sistema de avaliação garante oxigênio às boas escolhas.

Para permitir perenidade das boas escolhas que fazemos, a sexta dimensão nos lembra a importância da "disciplina". Vencer esta cortina é um dos maiores desafios dos postulantes ao mundo dos 100%. Quantas boas escolhas, preenchidas de excelentes propósitos não são testadas a cada momento? Quantas organizações que resolveram priorizar o atendimento às necessidades das gerações futuras não são tentadas a focar apenas nos objetivos de curto a partir do primeiro obstáculo encontrado?

Quando as pessoas e organizações já estão neste estágio avançado do mundo dos 100%, a sétima dimensão traz o desenho profundo de "compartilhar"nossos resultados com o Todo. Competições rasteiras perdem o significado quando temos boas escolhas, com propósito edificante, refinamento, permanência, equilíbrio e disciplina. Compartilhar os resultados torna-se uma consequência óbvia e práticas "no compliance"passam a não mais existir.

 Podemos ter atingido todas as dimensões anteriores e vencido todas as cortinas do nosso caminho, mas a oitava dimensão mostra que se não tivermos "alegria" e "entusiasmo", nossa jornada não terá a leveza necessária da bem aventurança. Lembre-se que entusiasmo vem do grego e significa "in" + "theos", ou seja, inspirado por Deus. Veja se as pessoas mais iluminadas e que vivem sua missão superior plenamente não são aquelas que mais transbordam alegria e contentamento?

Poucas pessoas e organizações chegarão até a nona dimensão. É a esfera da "desidentificação", onde conseguimos enxergar a nós mesmos e as nossas organizações como seres externos. Representa o fim do Ego e nesta dimensão, a sensação de totalidade e liberdade é tão profunda e verdadeira, que vencer uma concorrência ou atingir um resultado individual não faz mais muito sentido.

Finalmente, a décima dimensão é o final da jornada, o caminho de volta pra casa. É vivermos plenamente o mundo dos 100%. Tudo emana da décima dimensão e o resultado é a "certeza" da plenitude. É o estágio onde as coisas acontecem naturalmente, parecendo milagre para aqueles que não a vivenciam. Não existe escassez e a necessidade de intermediários no mundo dos 100%.

A crise que o mundo está mergulhado parece ser o resultado da insistência em viver o mundo miserável dos 10%. Onde as escolhas são mesquinhas e de curto prazo. Aos poucos, a sociedade começa a perceber que as boas escolhas precisam começar com bons propósitos e o movimento rumo à prosperidade se inicia.

Este blog coloca a disposição das pessoas, o programa "Em busca da sua Missão Superior"como forma de contribuir para a superação da primeira cortina, que pode parecer pouco, mas que possui uma extrema capacidade de mudança.

Tudo começa pequeno, mas é sua pureza de espírito que define sua grandeza e longevidade.

Para mais informações sobre a Cabala, leia: O poder de realização da Cabala de Ian Mecler.

0 visualização