A Monja e a Executiva


Dia 23 de outubro, no 2º Encontro de Universidades, a Monja Coen irá conversar sobre Propósito com a Diretora Executiva do Bradesco, Glaucimar Peticov. Por que uma monja deveria discutir este assunto com uma executiva?


O budismo fala que a raiz de todos os males da humanidade é a ignorância. As empresas preocupam-se cada vez mais em formar seus quadros. Então, seguindo os princípios transdisciplinares, as Tradições Espirituais estão alinhadas à gestão empresarial na busca de iluminação e tratar dos assuntos essenciais torna-se meta para os líderes espirituais e empresariais.


Propósito é nossa Missão Superior, a obra-prima de cada um de nós. Ele transcende qualquer dimensão. Não é mais possível, pois as novas gerações não aceitam, trabalhar apenas o Propósito na vida particular e esquecer a parte profissional. Nosso trabalho tem que ter Propósito! Senão, a vida fica sem cor e o tempo gasto no trabalho torna-se um desperdício.


Corporações, Universidades e as Tradições Espirituais precisam construir pontes, que unam os muros que são erguidos a cada dia. Discutir o tema entre representantes diversos da ação humana mostra que não é possível tratar as pessoas de forma fragmentada. Tudo está no Todo e o Todo está em tudo.


Estou muito ansioso para assistir o diálogo entre a Monja Coen e a Glau (como é carinhosamente chamada pelos seus amigos e funcionários). Este encontro nos traz esperança de que é possível um novo desenho organizacional, unindo Mente, Coração e Espírito.


Reserve um tempo na sua agenda para vivenciar esta experiência. O maior desafio dos executivos é saber escolher os tesouros escondidos em suas agendas diárias.

Sidarta Gautama, o Buda, encontrou a iluminação quando se deparou com o Caminho do Meio. Se apertar muito, a corda arrebenta. Se deixar frouxa, o som não emana. Viver é afinar o instrumento, de dentro pra fora, de fora pra dentro, como dizia Walter Franco.


Até lá!

0 visualização